Postado em 14 de julho, por NOMAD

Investimentos

Como calcular o quanto investir no exterior?

Ao montar uma carteira equilibrada, todo investidor já deve ter se perguntado como calcular o quanto investir no exterior, considerando os seus objetivos, prazos do investimento, apetite ao risco, dentre outros fatores mais específicos.

Além de uma alocação global de ativos, é importante que o investidor também entenda que um portfólio diversificado também se aplica às classes de ativos. Por isso, calcular o quanto investir no exterior pode variar de acordo com cada perfil de investidor

Nesse artigo, vamos mostrar o quanto de seu patrimônio vale ser alocado no exterior com base no seu perfil de risco. Confira, a seguir!

Investir no exterior é para todos os perfis

O primeiro passo para qualquer pessoa que quer investir é entender o seu perfil de investidor. Esse perfil – também chamado de suitability – tem como objetivo compreender quais produtos de investimentos são os mais adequados, com base nos seus objetivos, conhecimento sobre o mercado financeiro, prazo que o dinheiro vai ficar investido e tolerância a riscos.

Em geral, existem três perfis de investidores: 

(i) conservador: tem menor tolerância a riscos, portanto, tem maior parte do patrimônio em ativos de renda fixa.

(ii) moderado: tem um pouco mais de tolerância ao risco, buscando um pouco mais de rentabilidade, dividindo seu patrimônio em ativos de renda fixa e de renda variável. 

(iii) arrojado (agressivo): busca uma maior rentabilidade no longo prazo, ainda que esteja sujeito a maior volatilidade no curto prazo. Por isso, tem maior apetite ao risco e tem uma exposição maior do patrimônio em renda variável.

Nesse ponto, vale ressaltar que o investimento no exterior serve para todos os investidores, uma vez que é possível encontrar na Bolsa americana uma grande variedade de ativos adequados a cada perfil.

No mercado americano, você pode comprar desde ETFs de renda fixa, para os investidores conservadores, até ações de grandes empresas americanas para aqueles mais arrojados.

Como devo calcular o quanto investir no exterior?

Após definido o seu perfil, o próximo passo é entender que, para ter uma carteira diversificada, uma alocação no exterior considerada razoável por boa parte dos consultores de investimento varia entre 20% e 30% do seu patrimônio.

Esse percentual tem por base fatores como: 

  • tamanho da participação do PIB brasileiro na economia global;
  •  influência da variação cambial nos preços de produtos e serviços;
  • e concentração setorial dos ativos locais, dentre outros.

Apenas a título de comparação, a média de alocação internacional dos investidores de outros países importantes, como Canadá (35%), Reino Unido (50%), Austrália (26%) e Japão (45%), é maior que 30%.

Vale destacar que essa alocação ideal pode aumentar, principalmente se você tiver gastos fixos ou constantes no exterior, como, por exemplo, a manutenção de um imóvel de férias nos EUA ou até mesmo dependentes estudando no exterior.

Se você tem despesas em moeda estrangeira, o percentual ideal de investimentos no exterior pode aumentar, de maneira a garantir que o patrimônio que está sendo construído para o futuro possa fazer frente a essas despesas com maior tranquilidade.

Diante disso, considerando o percentual mínimo de investimento no exterior, confira, a seguir, alguns exemplos de composição de carteiras para cada perfil. 

Perfil conservador de investidor

Alocação global: 95% em renda fixa | 5% em renda variável

Perfil moderado de investidor

Alocação global: 60% em renda fixa | 40% em renda variável

Perfil arrojado de investidor

Alocação global: 80% de renda variável | 20% em renda fixa

Pontos importantes para investir no exterior

Vale lembrar que esses são apenas exemplos de composição de portfólios para cada perfil de investidor. Além das classes de ativos, é importante também diversificar setores, prazos de vencimento de títulos, dentre outros pontos que podem deixar sua carteira mais equilibrada.

Outro ponto importante é entender que existem algumas diferenças entre ativos no exterior e aqueles que estamos acostumados no Brasil. Um bom exemplo pode ser os produtos de renda fixa que, no Brasil, em razão das taxas de juros mais altas, apresentam, em geral, maior rentabilidade nominal que os do exterior. 

No entanto, o importante é a rentabilidade real, ou seja, o quanto aquele título teve de rendimento após descontar a inflação e também a variação cambial. Isto porque, os títulos de renda fixa no exterior tem rentabilidade na moeda estrangeira, como por exemplo, o dólar. 

Agora, levando todos esses fatores em consideração, você já sabe como calcular o quanto investir no exterior e deixar seu portfólio de investimentos bem diversificado e de acordo com o seu perfil de risco.

Fontes: JP Morgan; Mercer; Valor Econômico; Vanguard; e Money Sense – em 26/05/22.


Serviços intermediados por FRAM Capital DTVM S.A.

O conteúdo disponibilizado neste artigo não constitui ou deve ser considerado como conselho, recomendação, oferta ou solicitação de quaisquer produtos ou serviços pela Nomad. Este material tem caráter exclusivamente informativo. Para saber mais, acesse https://nomadglobal.com/legal/


CONHEÇA NOSSAS MÍDIAS SOCIAIS


© 2022 NOMAD. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Juntos com a Nomad

Synapse Drive Wealth logo ourinvest logo fram capital