Postado em 03 de fevereiro, por NOMAD

Viagens

Tudo o que você precisa saber sobre viagem para Europa

As viagens internacionais estão voltando aos poucos a habitar o imaginário das pessoas. Depois de dois anos de pandemia, o que o brasileiro mais quer é viajar, e a viagem para Europa é um dos destinos mais procurados.

Com o avanço da vacinação contra a Covid-19, muitos países europeus já abriram as fronteiras para turistas. Até então, mais de 20 países já estão recebendo brasileiros sem restrições, ou seja, sem a necessidade de realizar isolamento ou teste para a doença. Basta estar completamente vacinado contra o vírus. 

Essa mudança no cenário internacional fez com que a procura por passagens aéreas disparasse nos últimos meses. E, se você também tem pressa para embarcar, pode ser que encontre uma Europa mais tranquila, com menos turistas e preços mais baratos, já que o velho continente está retomando agora a entrada de viajantes.

De qualquer forma, seja você um nômade experiente ou um desbravador iniciante, é normal que surjam dúvidas sobre como se preparar para uma viagem para Europa, em especial nesses tempos de pandemia. 

Quais países estão com fronteiras abertas? Preciso comprovar a vacinação contra a Covid-19? Preciso apresentar visto? Como encontrar passagens aéreas e hospedagem mais baratas?

Respondemos essas e outras dúvidas neste guia atualizado com tudo o que você precisa saber sobre viagem para Europa. Assim, fica mais fácil vivenciar uma viagem tranquila e de sucesso. Confira!

O que devo saber antes de viajar para a Europa?

Se essa é a sua primeira viagem para Europa, saiba que alguns documentos são necessários para entrar no continente. O passaporte é o principal deles, e precisa ter pelo menos mais três meses de validade após a data esperada para o fim da viagem.

Além disso, como ainda estamos em meio a uma pandemia, a maioria dos países está exigindo um comprovante de vacinação contra a Covid-19, assim como teste negativo para a doença. A documentação necessária, no entanto, varia bastante de país para país. 

Outro documento muito importante para a sua viagem para Europa é o seguro viagem, obrigatório para muitos países do continente. Além disso, você precisará comprovar na imigração que tem uma hospedagem reservada no país de destino, assim como dinheiro suficiente para passar o período. 

Parece bastante coisa, mas vamos te mostrar que estar bem preparado antes de viajar para a Europa é simples. A seguir, detalhamos melhor cada um desses itens. Confira!

Documentos necessários para viajar para a Europa

Se você está planejando uma viagem para a Europa, alguns documentos são necessários para garantir a sua entrada no país. O primeiro que você deve ir atrás é o passaporte. Ele é necessário para viajar para quase todos os países do mundo, então não seria diferente no velho continente. 

As regras em relação ao passaporte, no entanto, variam na região. Para o caso dos países do Tratado de Schengen (que abrange 27 países, sendo 22 membros da União Europeia), seu passaporte precisa ter pelo menos três meses de validade após a data do fim da viagem. Ou seja, se você voltar de viagem no começo de dezembro, seu passaporte precisa valer até o começo de março.

Confira a lista dos países que integram o Tratado:

  • Áustria
  • Bélgica
  • Suíça
  • Chipre
  • República Checa
  • Alemanha
  • Dinamarca
  • Estônia
  • Grécia
  • Espanha
  • Finlândia
  • França
  • Hungria
  • Islândia
  • Itália
  • Listenstaine
  • Lituânia
  • Luxemburgo
  • Letônia
  • Malta
  • Países Baixos
  • Noruega
  • Polônia
  • Portugal
  • Suécia
  • Eslovênia
  • Eslováquia

O Tratado de Schengen é um acordo entre países europeus sobre uma política de abertura de fronteiras e livre circulação de pessoas entre os países participantes. 

No entanto, nem todos os países da Europa integram o Tratado de Schengen. Para os demais, a regra em geral é que seu passaporte precisa ter pelo menos seis meses de validade na hora do embarque.

Detalharemos melhor cada um desses documentos no decorrer deste guia.

Como tirar passaporte para Europa?

Para quem ainda não tem um passaporte, não precisa de preocupar. O processo para tirar o seu é simples e pode ser feito da sua casa pelo site do governo federal.

Entrou no site? Então, o próximo passo é preencher o formulário com os seus dados pessoais. Depois, é gerado um boleto para pagamento da taxa de serviço. 

Em seguida, você já consegue agendar o atendimento presencial, momento em que são coletadas impressões digitais e uma fotografia facial. Depois do período de emissão, você poderá buscar o seu passaporte na mesma unidade em que realizou o atendimento presencial.

Sem seguro viagem, você não entra na Europa: saiba o porquê!

Sim! O seguro viagem é um item obrigatório tanto para países que fazem parte da União Europeia quanto para os que integram o Tratado de Schengen, pois pode ser cobrado durante a imigração. Além disso, o seguro precisa ter uma cobertura de até 30 mil euros. 

Recomendamos que você procure por um seguro de viagem que garanta cobertura em caso de covid-19, já que a pandemia pode levar a cancelamentos de voos, entre outros imprevistos. E também, claro, que cubra outras emergências médicas, hospitalares e jurídicas. A AssistCard é uma boa referência de seguro e ainda oferece descontos para os clientes Nomad.

Comprovante de hospedagem para a Europa: como funciona?

O comprovante de hospedagem é outro documento essencial para quem quer fazer uma viagem para Europa. A partir dele, as autoridades confirmam que você tem um lugar para ficar hospedado e assim garante que você é um turista.

Para não passar por apuros nessa hora, a dica é reservar seus hotéis com antecedência. Depois, imprima e leve com você todos os comprovantes de reserva.

Se você for ficar na casa de alguém, o procedimento também é tranquilo. Você precisa ter uma carta-convite, um documento em que seu anfitrião diz que vai te receber. 

Qual o valor mínimo para entrar na Europa?

Além do comprovante de hospedagem, você deverá comprovar que tem condições financeiras de se manter durante a sua viagem para Europa. O valor mínimo varia de país para país, já que o custo de vida é diferente em cada destino. A Suíça, por exemplo, é muito mais cara que Portugal.

No entanto, em geral, para entrar na Europa você precisa ter pelo menos 65 euros para gastar por dia de viagem – e por pessoa. Além disso, mesmo que sua estadia seja curta, ainda assim você precisa comprovar que tem pelo menos 600 euros.

Mas não se preocupe, você não precisa gastar tudo isso durante a sua viagem para Europa, em especial se a sua estadia for de poucos dias. Em contrapartida, pode ser até que gaste muito mais. O importante é comprovar ter esse dinheiro, seja com saldo em conta bancária, cartão de crédito ou dinheiro em espécie. 

Você sabia que dá para ficar até 90 dias na Europa sem visto?

Sim! Viajantes brasileiros não precisam de visto para entrar na maioria dos países da Europa, mas apenas se a viagem for de turismo e tiver uma duração máxima de 90 dias. A regra vale para os 27 países que integram o Tratado Schengen.

O que muita gente não sabe é que você pode viajar por até 90 dias na Europa, mas dentro de um período de 180 dias. Ou seja, se você viajou por 90 dias consecutivos, deverá voltar ao Brasil e aguardar 180 dias para poder retornar ao continente. 

Outro exemplo: vamos supor que você viajou por um mês na Europa. Nesse caso, você terá mais 60 dias de visto se quiser voltar dentro do mesmo período de 180 dias.

No entanto, apesar de não precisar do visto, o brasileiro que for viajar para a Europa em 2023 deve estar cadastrado no  Sistema Europeu de Informação e Autorização de Viagem (Etias). 

A Comissão da União Europeia criou o sistema para reforçar as fronteiras do continente e prevenir alguns riscos. O valor do Etias é de 7 euros por pessoa. Menores de 18 anos não pagam. 

Como tirar o visto para a Europa?

Agora, se a sua viagem para a Europa abranger países que não integram o Tratado de Schengen, ou se você pretende realizar um curso, trabalhar, residir ou ficar por mais tempo, você precisará de um visto para entrar no continente. 

As regras para o visto, no entanto, variam de acordo com o país. Para viajar ao Reino Unido (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte), é possível simular se há necessidade de visto através do site do governo britânico, já que a permissão de entrada no Reino Unido é dada somente no momento do desembarque no aeroporto. 

Nesse caso, o visto de turista pode ou não ser aceito. A entrevista é feita pelo oficial de imigração para saber o que o passageiro pretende fazer  no país.

De qualquer forma, para solicitar o visto é necessário: passaporte válido, passagem de ida e volta ao Brasil, comprovantes de renda, reserva de hotéis, vínculo com o Brasil, motivo e duração da viagem. 

Em todos os casos, acesse o site de imigração do país de destino, solicite o visto que você precisa e agende uma entrevista no consulado.

Quem tem passaporte europeu precisa de visto?

Não. Se você tem um passaporte europeu, ganha isenção do visto para todos os países da União Europeia. Isto porque você passa a ser considerado um cidadão europeu.

Países da Europa que aceitam brasileiros

Segundo levantamento do Poder360, realizado em 7 de fevereiro de 2022, 44 países europeus já permitem a entrada de passageiros partindo do Brasil. Entre eles, 27 estão abertos sem restrições, ou seja, sem a necessidade de quarentena ou testes para a Covid-19, basta estar completamente vacinado contra a doença.  

Entre os principais destinos de brasileiros na Europa, esses são os que exigem apenas o comprovante de vacinação:

  • Alemanha
  • Espanha
  • Irlanda
  • Noruega
  • Reino Unido
  • Suíça

O Reino Unido, no entanto, coloca como requisito a realização de um teste depois da chegada ao país – e não antes, como é tradicional. É necessário reservar e pagar pela testagem antes de embarcar. 

Entre os países que, antes do embarque, exigem o comprovante de vacinação e teste negativo contra o vírus, destacamos:

  • Áustria
  • Bélgica
  • Croácia
  • Finlândia
  • França
  • Holanda
  • Itália
  • Portugal

Quantos dias de viagem pela Europa?

A vontade de qualquer pessoa durante uma viagem para Europa é abraçar o continente e visitar o máximo de países que conseguir. Para isso, no entanto, você precisaria de muitos dias para conhecer bem cada lugar. 

Uma viagem de 1 semana, por exemplo, engloba no máximo 2 grandes destinos turísticos. Acreditamos que é melhor restringir o número de cidades ou países durante a sua estadia no velho continente do que voltar para o Brasil com uma viagem feita pela metade. 

Partindo disso, elaboramos uma estimativa de quantos dias você deve dedicar aos principais destinos turísticos na Europa, de forma que dê para conhecer bem cada local e aproveitar os passeios mais famosos. Confira!

Paris e Londres

O roteiro Paris-Londres é um dos mais comuns de brasileiros em viagem para Europa. Isso porque é possível ir de uma cidade para a outra em cerca de 2 horas, graças ao trem Eurostar de alta velocidade. 

Para conhecer as duas cidades, o ideal é dedicar 5 ou 6 dias de viagem. Uma semana, no entanto, é o ideal. 

Grandes capitais

Cidades como Lisboa, Madri, Barcelona, Roma, Berlim e Amsterdã merecem pelo menos quatro dias inteiros de viagem para conhecer cada uma. Afinal, são algumas das principais capitais do continente. Por isso, guardam diversas atrações, passeios e paisagens que merecem a visita. 

Outras capitais

Capitais de médio porte ou menos óbvias do que as que citamos acima, como Praga, Budapeste, Viena, Florença, Sevilha e Porto, valem de dois a três dias inteiros.

Lembre-se que dá para ficar mais tempo nesses lugares. Sempre haverá passeios, monumentos e paisagens para descobrir em cada cidade. É possível passar menos tempo também, mas você terá uma viagem para Europa mais corrida e totalmente turística, sem tempo para descobrir algumas surpresas fora do padrão.

Quando viajar para Europa?

A resposta para essa pergunta vai depender de muitos fatores, em especial do seu orçamento e das atividades que irá fazer durante a sua viagem para Europa. Mas, se o seu objetivo é economizar em hospedagem e passagens aéreas, a melhor época para viajar para Europa é fora do período de férias e de recesso escolar. 

Ou seja, evite viajar no verão europeu, que começa no dia 21 de junho e vai até 20 de setembro. Nesses meses, os restaurantes, bares, parques e pontos turísticos em geral ficam lotados. 

Por isso, viajar nessa época requer não só um orçamento maior, como também mais planejamento, já que você vai precisar agendar alguns passeios com mais antecedência.

Prefira viajar durante as outras estações, em especial na primavera. Nesse período, que vai de 21 de março a 20 de junho, você aproveita passagens aéreas mais baratas e cidades um pouco mais vazias.

Melhores roteiros para conhecer a Europa em 2022 (V3)

Para facilitar ainda mais o planejamento da sua viagem para Europa, separamos 3 opções de roteiro de viagem na Europa para 2022, estruturados pelo portal de viagens Quero Viajar Mais. 

Os dois primeiros têm duração de 15 dias, e o terceiro de 20. Todos foram pensados para um viajante iniciante, que está começando a desbravar o velho continente. 

Roteiros de 15 dias na Europa

Em 15 dias, você consegue visitar de 2 a 3 países europeus com mais tranquilidade, ou ao menos conhecer 3 grandes cidades que não precisam ser tão próximas. Pensando nisso, você pode dedicar esse período para conhecer o trio clássico europeu: França, Inglaterra e Itália, focando em capitais.

  • 1, 2, 3 dias: Londres
  • 4, 5, 6 dias: Paris
  • 7, 8, 9 dias: Roma
  • 10, 11, 12 dias: Veneza com bate-e-volta em Verona
  • 13, 14 e 15 dias: Florença

Outra excelente opção de roteiro de 15 dias na Europa é substituir a Inglaterra pela Bélgica e a Itália por Amsterdam:

  • 1, 2, 3 e 4 dias: Paris.
  • 5 e 6 dias: Vale de Loire.
  • 7, 8, 9 dias: Bruxelas com bate e volta em Bruges.
  • 10, 11, 12 dias: Amsterdam
  • 13, 14 e 15 dias: Roterdã com bate e volta para Kinderdijk, a cidade dos moinhos.

Roteiro de 20 dias na Europa

Já com um roteiro de 20 dias, você tem ainda mais tempo para conhecer os países europeus. Um roteiro possível é passar 20 dias viajando por Portugal, Espanha e Itália, conhecendo bem cada um desses países:

  • 1, 2 e 3 dias: Lisboa
  • 4, 5, 6 dias: Madrid
  • 7, 8 dias: Barcelona
  • 10, 11, 12, 13 dias: Paris
  • 14, 15, 16 dias: Roma
  • 17, 18 dias: Florença
  • 19, 20 dias: Veneza

Como montar um roteiro para conhecer a Europa?

O roteiro é um dos itens mais essenciais para uma viagem para Europa de sucesso. É com ele que você vai conseguir se planejar e organizar todos os seus gastos durante o passeio. 

A Europa, no entanto, é um continente enorme e que oferece diversas opções de roteiro, dos mais clássicos aos mais pessoais. Tudo vai depender do seu estilo de viagem, dos lugares que você quer conhecer e, claro, do seu orçamento.

Pensando nisso, separamos alguns tópicos que você deve levar em consideração na hora de montar o roteiro da sua viagem para Europa. Olha só:

  1. Tipo de viagem: Que tipo de viagem você quer fazer? Uma mais clássica, que passe pelos principais pontos turísticos do destino, ou algo diferente e mais pessoal? Esse é o ponto básico que deve partir o seu roteiro;
  2. Quantidade de dias: Em segundo lugar, você deve ter claro quantos dias têm para a sua viagem para Europa. Dessa forma, fica mais fácil decidir quantas e quais cidades você consegue visitar, assim como o tempo destinado para cada uma;
  3. Cidades: Agora chegou a hora de escolher quais cidades você quer visitar durante a sua viagem para Europa, assim como a ordem de visita em cada uma;
  4. Deslocamento: Feito isso, estude as opções de deslocamento para cada um dos destinos que deseja conhecer: trem, avião ou ônibus;
  5. Atrações: Definidas as cidades que você vai conhecer, assim como os dias de cada uma, chegou a hora de escolher algumas atrações para visitar! 

O planejamento dos passeios deve constar no seu roteiro para que você consiga reservar algumas atividades com antecedência, assim como calcular exatamente como serão os seus dias na viagem. Assim, você evita esquecer algum ponto turístico muito importante e consegue aproveitar ao máximo a sua estadia em cada cidade.

Como é o clima na Europa?

Conhecer o clima da Europa quando se está planejando uma viagem é muito importante. Assim, você tem mais facilidade para pensar nas roupas que vai levar e quais passeios deve priorizar. 

Contudo, por se tratar de um continente muito extenso, o clima e temperatura variam muito de região para região. Conseguimos identificar ao menos 5 tipos climáticos na Europa: oceânico, continental, mediterrâneo, polar e de montanha.

Para te ajudar a entender como é o clima na Europa, detalhamos os tipos climáticos por região. Confira:

Europa setentrional (norte): inclui o extremo norte da Noruega, Islândia, Suécia, Finlândia e norte da Rússia. O clima predominante é o polar, com temperaturas baixas durante todo o ano. A região é coberta por gelo e neve.

Europa Ocidental e parte da Europa Central: norte de Portugal e da Espanha, França, Reino Unido até parte da Polônia. Nessa região, o clima é oceânico, com chuvas abundantes e frequentes. Tem verões não muito quentes e invernos não muito frios.

Leste da Europa: inclui principalmente a Rússia, Ucrânia, Hungria e Romênia. O clima nessa região é temperado continental, ou seja, mais seco e com verões e invernos mais rigorosos – inclusive com grandes nevadas.

Regiões de montanhas: inclui as áreas mais elevadas, presentes em países como Suíça, Áustria, França, Itália, Eslovênia e Geórgia. Esses países apresentam um tipo climático frio de alta montanha, com permanência de neve nas áreas com grandes altitudes e maiores incidências de ventos e precipitações.

Europa mediterrânea: localizado no extremo Sul da Europa, e banhado pelo

mar Mediterrâneo, em países como a Espanha, Portugal, Itália, Grécia e Turquia. O clima nessa região é mediterrâneo, com verões quentes e secos e invernos

amenos, com chuvas.

3 destinos para curtir o inverno na Europa 

O inverno europeu tem muitos encantos! Se você está planejando fazer a sua viagem para Europa nessa estação, saiba que paisagens deslumbrantes, atividades especiais e um forte clima de romantismo te aguardam. Além de, claro, muita neve.

Se esse é o seu objetivo, separamos três destinos para quem quer curtir o inverno na Europa com tudo o que ele tem direito. Confira!

Grindewald, Suíça

Não tem como falar de inverno na Europa sem citar a Suíça. O país tem cidades lindas que parecem tiradas de conto de fadas. E Grindewald é com certeza uma das mais charmosas!

Por lá, você poderá contemplar lagos congelados, montanhas cobertas de neve e casas rodeadas por montanhas. Grindelwald é um destino muito procurado para quem pretende conhecer a também é a região de Jungfrau e do Monte Eiger.

Paris, França

Paris tem um charme enorme no inverno. O frio também é intenso por lá, mas é uma cidade com infinitas possibilidades de atividades indoor, como os famosos museus da capital francesa. 

Para completar a experiência de um inverno na França, você pode aproveitar para visitar os alpes franceses. O esqui é uma das principais atrações por lá – além de, claro, toda a paisagem belíssima.

Escandinávia

A região, que abrange a Dinamarca, a Suécia, a Noruega e a Finlândia, é um prato cheio para os fãs do frio e da neve. Você pode visitar a “casa” do Papai Noel em Rovaniemi, na Finlândia, o que é uma programação e tanto para quem viaja com crianças. 

Ainda dá para andar de trenó, fazer boneco de neve e ter a experiência completa de um inverno no velho continente. A região também é um destino muito procurado para ver a famosa aurora boreal.

3 destinos da Europa para visitar na primavera

A primavera tem um efeito especial nos jardins, parques e paisagens europeias. Além disso, os dias são ensolarados e sem aquele calor escaldante. A luz do sol brilha em um período um pouco maior, ao contrário do inverno, quando os dias são bem mais curtos.

É a estação perfeita para passeios ao ar livre e muitas fotografias de paisagens. Separamos 3 sugestões de destinos para a sua viagem para Europa na primavera.

Amsterdã, Holanda

Não tem como pensar em Amsterdã sem lembrar dos campos floridos. A cidade holandesa é um dos cartões postais da primavera na Europa. 

Amsterdã também possui seus famosos canais de água que também ficam lindos durante a estação. Uma das melhores experiências na cidade é percorrê-los de bicicleta, o meio de transporte oficial dos holandeses.

Além das paisagens, a cidade oferece diferentes atrativos culturais e históricos, como o museu de Van Gogh e a casa de Anne Frank.

Sevilha, Espanha

Sevilha é outro destino especial para quem está planejando uma viagem para Europa na primavera. A cidade tem uma feira famosa, que acontece sempre em abril. Por isso, ela é conhecida justamente como Feira da Primavera. 

Além da feira, a cidade tem muitos lugares históricos para você conhecer, a começar pelo mais antigo palácio da Europa e a maior catedral gótica do mundo. 

Zadar, Croácia

Zadar não é um destino tão óbvio assim na Croácia, mas é pré-requisito que você conheça a cidade na primavera. Isso porque a pequena vila tem fácil acesso às praias mais lindas do país.

Nessa época, o clima é muito agradável em Zadar. Você consegue fazer diversas atividades ao ar livre, inclusive prestigiar o pôr do sol, evento considerado imperdível na região – a atração é tão famosa que ficou conhecida como Greeting to the Sun por lá.

3 melhores praias da Europa para conhecer

Não faltam belas praias na Europa, inclusive algumas paradisíacas. Se você quer curtir o verão europeu com belas paisagens litorâneas, separamos algumas das melhores praias do continente para você conhecer.

Algarve, Portugal 

A região no sul de Portugal é, sem dúvidas, uma das paisagens mais belas do país. Por lá, você encontra praias arenosas com formações rochosas únicas. 

Algumas das praias mais populares são a Praia da Marinha e a Praia do Odeceixe. Esta última é ótima para caminhadas, já que é mais longa. Além disso, é uma boa região para a prática de surf e para ir com a família. 

Astúrias, Espanha

A região no norte da Espanha é conhecida por sua Costa Verde cheia de areia, cavernas e penhascos. Entre as praias mais conhecidas estão a Playa del Silencio, um patrimônio protegido, e a Playa de La Franca, que conta com belas paisagens naturais. 

Sicília, Itália 

Se você está em busca de uma praia mais isolada e longe de multidões, não deixe de visitar a Sicília, na Itália. A cidade abriga a praia Cala Tonnarella, escondida na Reserva Natural Zingaro, que é um verdadeiro oásis: um pequeno trecho de areia branca e água azul cristalina.

Para chegar até lá, no entanto, é preciso uma hora de caminhada. Mas o esforço vale a pena! 

3 países da Europa para conhecer no outono

A Europa no outono tem muitos encantos. Temperaturas amenas, o colorido da natureza, filas menores nas atrações, preços mais em conta do que na alta temporada, festivais de outono e feiras gastronômicas. 

Muitos roteiros são possíveis para quem vai fazer uma viagem para Europa no outono, mas trouxemos 3 sugestões de destinos que têm muitos atrativos nessa estação. 

Madri e Andaluzia

A capital espanhola é linda. Além disso, é perfeita para quem curte sair à noite. Por lá, você pode aproveitar as manhãs amenas do outono para visitar atrações culturais e, de noite, curtir bares e restaurantes.

Para esquentar as noites frias de outono, que tal uma sangria? Você ainda pode experimentar os tapas espanhóis, aperitivos que são servidos em bares, cafés e restaurantes.

Se for à Madri, não deixe de conhecer também a Andaluzia. Por lá, você pode admirar a arte islâmica em monumentos históricos da época da dominação árabe na região. 

Bavária, Alemanha

O outono dá um toque especial em Bavária, estado do sudeste alemão que abriga a capital do país, Munique. Além das paisagens estonteantes, você ainda pode visitar os românticos castelos construídos por Ludwig II, o Rei louco. 

Inclusive, é nessa região que está o castelo de Neuschwanstein, que dizem ter inspirado o castelo da Cinderela da Disney. 

Além disso, não deixe de participar da Oktoberfest em Munique. A festa alemã se tornou bastante popular pelo mundo todo, inclusive no Brasil. 

Bordeaux, França

Bordeaux é uma cidade pequena, bonita e plana. Por isso, é muito fácil explorar o local! Com o clima ameno do outono, o passeio fica ainda mais gostoso.

A região é famosa por suas vinícolas, inclusive Bordeaux é considerada a capital mundial dos vinhos. Esse é um destino especial para quem quer curtir uma gastronomia sofisticada. 

Como viajar mais barato para a Europa?

Se o seu sonho é conhecer Paris, Londres, Lisboa, entre tantos outros destinos encantadores da Europa, não deixe os preços te assustarem. Seguindo algumas dicas, você consegue economizar na compra de passagens para a sua viagem para Europa.

  • Comece buscar passagens com antecedência (pelo menos 6 meses antes é o ideal);
  • Compare os preços das linhas aéreas e agências de viagem com os aplicativos de viagens;
  • Monitore as tarifas com os alertas de preços dos aplicativos de viagens;
  • Viaje em baixa temporada;
  • Pegue um voo para um país mais barato e depois complete o trajeto de trem;
  • Compre passagens de trem com antecedência;
  • Voe com companhias low cost;
  • Compre a tarifa mais básica (sem escolha de poltrona ou outros serviços);
  • Tenha flexibilidade nas datas;
  • Não compre passagem de ida e volta do mesmo lugar (optar por “múltiplos destinos” na hora da compra costuma baratear o valor);
  • Opte por voos de madrugada, que costumam ser mais baratos.

Países baratos para viajar na Europa

Sabemos que a Europa não é um destino econômico para a maioria dos brasileiros, mas muitos têm o sonho de conhecer o velho continente. É possível, no entanto, unir o útil ao agradável e conhecer a região gastando menos. 

A dica número 1 é fugir das capitais europeias mais famosas, como Paris, Londres e Amsterdam, e seguir para o Leste Europeu ou para países como Espanha e Portugal. 

Confira, a seguir, 5 sugestões de destinos baratos para visitar na Europa, segundo o site de viagens Skyscanner:

  1. Tallinn, Estônia

O Centro Histórico de Tallinn é reconhecido como Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco. Essa informação já seria mais do que suficiente para convencer uma visita à cidade, né? Além disso, a torre da igreja Oleviste, no centro, já foi a mais alta construção criada pelo homem. 

  1. Praga, República Tcheca

Praga é uma cidade muito famosa, principalmente por causa do seu centro histórico, que também foi reconhecido como Patrimônio Cultural da Humanidade. O que não faltam na cidade são igrejas góticas, construções barrocas, sinagogas, pontes de pedras, torres, praças e atrativos turísticos diversos.

  1. Budapeste, Hungria

A capital da Hungria é outra que esconde mil encantos. A cidade está entre as dez maiores da Europa e é cortada pelo rio Danúbio, que faz a divisão entre Buda, na margem direita do rio, e Peste, na margem esquerda. 

De um lado temos uma área mais histórica, onde fica o centro antigo e as atrações da cidade. Já a outra é mais moderna e agitada, com mais opções de comércio e restaurantes.

  1. Cracóvia, Polônia

Cracóvia é considerada a capital cultural da Polônia (inclusive foi capital do país por cerca de 300 anos) e tem mais de mil anos de história. Além disso, seu centro histórico pouco sofreu com os bombardeios da Segunda Guerra Mundial, então a cidade tem uma arquitetura antiga e bem preservada, o que encanta a todos que passam por lá.

  1. Porto, Portugal

Porto é vice-campeã em número de turistas em Portugal, perdendo apenas para Lisboa. Por isso, a cidade é um ótimo destino para quem quer gastar menos ao fugir um pouco das rotas principais.

Porto tem um charme único, com espetaculares finais de tarde às margens do Rio Douro e ruas coloridas com casas azulejadas, que deixam qualquer passeio a pé pelo centro histórico ainda mais prazeroso.

3 dicas de como pagar menos em hospedagem na Europa

Além das passagens aéreas, outro gasto importante que você vai ter em uma viagem para Europa é a hospedagem. Nas principais capitais da Europa, hotéis medianos custam entre R$ 300 e R$ 700 a diária para casal.

Contudo, se a sua meta é conhecer os encantos do velho continente sem gastar muito, separamos algumas dicas de como pagar menos em hospedagem na Europa. Confira!

  • Prefira as hospedagens compartilhadas: isso inclui hostels ou até mesmo quartos de Airbnb. Além de mais em conta, esse tipo de hospedagem pode ser uma excelente oportunidade de conhecer pessoas do mundo inteiro;
  • Use pontos do cartão: dependendo do tipo de programa de pontos do seu cartão, é possível trocá-los também por hospedagem;
  • Fuja das áreas turísticas: em vez de ficar hospedado ao lado da Torre Eiffel, priorize regiões menos turísticas. Dessa forma, é possível ficar em locais bem localizados, seguros e modernos, gastando menos. 

Como escolher o melhor seguro viagem para Europa?

Conforme vimos, o seguro viagem é uma proteção obrigatória para os viajantes com destino à Europa. Além disso, deve ter cobertura mínima de 30 mil euros para despesas médicas e hospitalares. E, se você não estiver com o seu em mãos, pode ser barrado na imigração. 

Apesar das exigências, o seguro viagem pode evitar gastos imprevistos e elevados durante o passeio. Mas como escolher o melhor seguro viagem para Europa? Afinal, são várias opções disponíveis no mercado e que atendem a diferentes perfis de viagens e viajantes.

Por isso, existem alguns pontos que você deve levar em consideração na hora de escolher o seu seguro viagem. Em primeiro lugar, você deve avaliar justamente o seu perfil e estilo de viagem. Um mochilão pelo leste europeu apresenta bem mais riscos do que uma estadia de 2 semanas em Paris, por exemplo.

Outras questões que entram nessa análise são sua idade, tipo de bagagem e duração da viagem. Avalie todos esses pontos para saber qual seguro viagem atende melhor às suas necessidades.

Outro ponto importante a ser considerado é o tipo de cobertura que o seu seguro deve ter. Existe uma grande variedade de coberturas extras, que vão além da cobertura médica. 

Você acha importante ter uma cobertura odontológica durante a viagem? Tem alguma doença pré-existente que precisa de mais atenção? Está gestante? Tudo isso vai ditar a complexidade da cobertura do seu seguro viagem.

Por fim, se você está viajando em casal ou com a família, também deverá optar por um seguro viagem individual, para cada um dos membros do grupo, ou coletivo. Muitas vezes, fechar um único seguro para todos sai mais em conta do que contratar separadamente. Pesquise bastante para saber qual a melhor opção para você.

Qual teste de Covid-19 fazer para entrar na Europa?

Além do comprovante de vacinação, muitos países da Europa também exigem que você apresente no embarque – ou desembarque, como é o caso do Reino Unido – um resultado negativo do teste viral de Covid-19.

Mas qual teste de Covid-19 fazer para entrar na Europa? O RT-PCR é amplamente aceito por lá. O exame permite identificar a presença do material genético (RNA) do vírus em amostras de secreção respiratória. Ele pode ser feito por swab nasal ou oral – é aquele famoso teste de cotonete. 

Para fazer o seu, é comum precisar de agendamento prévio. Você pode encontrá-lo em farmácias, hospitais e postos de saúde. 

Tomei CoronaVac: posso entrar na Europa?

Para quem se vacinou com a CoronaVac e deseja viajar para a Europa, saiba que as regras variam. Enquanto uns aceitam o imunizante sem restrições, há quem proíba ou tenha regras específicas para ele.

A agência reguladora de medicamentos (EMA) da União Europeia, por exemplo, produziu um parecer que libera a entrada no bloco apenas para viajantes imunizados com vacinas da AstraZeneca, Pfizer/BioNTech, Moderna e Janssen, excluindo a CoronaVac. 

Os países membros, no entanto, não precisam seguir a recomendação e alguns permitem a entrada de pessoas imunizadas com a vacina produzida pelo Instituto Butantan. Esse é o caso da Alemanha, Áustria e França. 

Existem, entretanto, alguns critérios. A Alemanha permite a entrada de viajantes somente com “um motivo importante”. O país ainda exige a apresentação de um teste de Covid-19 de até 48h. Já na França, os vacinados com a CoronaVac precisam ter tomado uma dose de reforço da vacina da Pfizer ou da Moderna.

Em relação à Áustria, os brasileiros vacinados com CoronaVac devem apresentar um teste negativo para entrar em bares, restaurantes e hotéis. Os testes são fornecidos gratuitamente no país.

Alguns dos principais países da Europa que aceitam a CoronaVac:

  • Alemanha
  • Áustria
  • Croácia
  • Dinamarca
  • Eslovênia
  • Espanha
  • Finlândia
  • França
  • Holanda
  • Hungria
  • Irlanda
  • Noruega
  • Reino Unido
  • Suíça

Como emitir o comprovante de vacinação contra a Covid-19?

Para comprovar a sua imunização, utilize o site do Conecte SUS. Por lá, você consegue emitir o Certificado Nacional de Vacinação covid-19, documento que comprova a vacinação. A plataforma permite que você visualize, salve e imprima o seu certificado.

As seguintes informações devem constar no documento:

  • Nome completo;
  • Data de nascimento;
  • Unidade de saúde em que a vacina foi aplicada;
  • Fabricante da vacina;
  • Número de doses administradas;
  • Datas de aplicação.

Precisa de quarentena para entrar na Europa?

Na maioria dos países turísticos da Europa, não há mais a necessidade de realizar a quarentena na chegada do país. A medida tem sido substituída por comprovante de vacinação e teste negativo para a doença. 

Os passageiros, no entanto, devem checar as regras mais recentes da nação europeia que forem visitar.

Vacina de febre amarela? Saiba se você precisa para entrar na Europa

Segundo a OMS, os Estados Unidos e a maioria dos países da Europa não fazem exigência da vacinação de febre amarela. Mas países que também costumam receber brasileiros, como Austrália, Bolívia, Equador e África do Sul, exigem a apresentação do certificado.

Voos para a Europa: principais companhias aéreas

Desde que os primeiros países europeus começaram a abrir fronteiras para os brasileiros, a procura por passagens aéreas para a Europa disparou por aqui. 

A demanda se intensificou ainda mais nas festas de fim de ano. A Air Europa, por exemplo, registrou uma média de 70% de ocupação em seus voos, chegando a 90% em viagens de longa duração.

Segundo a companhia aérea, os destinos preferidos dos brasileiros têm sido Portugal (48%), Espanha (33%) e França (8%). Trabalho e família são os principais motivos de viagem. 

Procura é o que não falta. Contudo, com o avanço da variante Ômicron, a oferta de voos caiu um pouco neste começo de ano, segundo a Eurocontrol, organização que supervisiona os movimentos das aeronaves. O momento, portanto, exige ainda mais planejamento e cautela na hora de escolher a companhia aérea e as passagens.

Para te ajudar, listamos as principais companhias que voam do Brasil para a Europa: TAP Air Portugal, Azul e Latam Airlines. Os voos dessas companhias são os mais frequentes entre os dois continentes. 

Para não passar por imprevistos, aconselhamos que você pesquise sobre a companhia aérea, as exigências neste momento de pandemia e os benefícios que ela oferece antes de adquirir o seu bilhete de embarque. 

Saiba quais são as regras de bagagem para viajar para Europa

Esse é um tema que sempre rende muitas dúvidas para quem vai viajar para Europa. Quantas malas eu posso levar para a Europa? Qual o peso total que posso levar? E para a mala de mão, quais são as regras? 

Para responder essas questões, primeiro precisamos te deixar a par das regras atuais da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), especialmente se essa é a sua primeira viagem internacional. Nos últimos anos, a agência alterou as normas sobre bagagem e autorizou as linhas aéreas a cobrar pelas malas despachadas.

As condições e valores, no entanto, variam de companhia para companhia, assim como do tipo de passagem aérea que você está adquirindo.

Via de regra, saiba que passagens mais econômicas costumam incluir o despacho de malas no bilhete, então você teria que pagar por esse serviço. Por isso, fique atento a essas regras na hora de comprar a sua passagem aérea. Mas vamos explorar melhor esses temas a seguir.

Qual o tamanho de bagagem para viagem internacional?

Em relação ao tamanho da bagagem para uma viagem para Europa, existem regras específicas tanto para a mala de mão quanto para a mala que será despachada. 

A mala de mão é aquela que você leva junto com você dentro do avião. Sobre ela, a regra é uma só para as companhias brasileiras: é permitido levar gratuitamente uma de até 10 kg (as dimensões são 55 x 35 x 25 cm). 

Além disso, a maioria das empresas aéreas, nacionais ou internacionais, permitem que você viaje também com um item pessoal, como bolsa ou mochila. Esse item pessoal deve ter as dimensões máximas de 43 x 32 x 22 cm. O tamanho é menor porque deve ser guardado embaixo da poltrona durante o voo, já que o bagageiro superior deve ser destinado somente às malas maiores.

A outra é a mala para despacho. Sobre esta, as companhias aéreas normalmente incluem na franquia das passagens o direito de despachar uma mala de 23 kg. Estas malas devem ter no máximo as seguintes dimensões: 80 x 50 x 28 cm. 

O que acontece se você ultrapassar os limites de bagagem? Malas maiores e mais pesadas podem ser taxadas com um valor extra na hora do despacho ou do embarque. Por isso, se atente bem ao peso e tamanho da sua bagagem antes e depois de organizar os seus itens.

Em relação à quantidade de malas permitidas no despacho, lembre-se que cada companhia aérea tem suas próprias regras, mas isso normalmente segue o tipo de passagem aérea que você adquiriu. 

Passagens promocionais ou econômicas, conforme dissemos, costumam não ter nenhuma franquia de bagagem despachada, enquanto bilhetes mais caros permitem que você despache uma, duas ou até três malas sem custo adicional. Por isso, pesquise bem sobre as condições da companhia aérea antes de comprar a passagem.

O que levar na mala em viagem para Europa?

Para saber o que levar na sua mala em viagem para Europa, primeiro você deverá se atentar a essas quatro questões:

  • Qual a franquia de bagagem da sua passagem aérea;
  • Duração da viagem para Europa;
  • Previsão do tempo no seu destino;
  • Quantidade de compras que deseja fazer.

Ao definir cada uma delas, fica mais fácil planejar quantas e quais roupas levar na mala. Para te ajudar nessa organização, listamos os itens que não podem faltar na sua mala de acordo com cada estação. Confira:

O que levar na mala para Europa no verão

Em junho, julho e agosto, muitos países na Europa passam por um verão quente e ensolarado, clima perfeito para conhecer praias e fazer outras atividades ao ar livre. Para isso, é importante estar com roupas e calçados leves, confortáveis e, principalmente, que não amassem com facilidade.

Por isso, não deixe de levar itens como:

  • Vestidos e saias
  • Calça jeans e shorts
  • Camisas e camisetas
  • Sandálias e tênis 

Além disso, não deixe de incluir na sua mala um casaco para caso as temperaturas caiam, ou caso você precise enfrentar um ar condicionado mais forte. Inclusive, aconselhamos que você leve este casaco na sua mala de mão. Assim, ele fica de fácil acesso durante a viagem para te proteger do ar gélido do avião.

O que levar na mala para Europa no outono

Para o outono, você já pode incluir mais alguns casacos e calças na sua mala de viagem. Na Europa, a depender do seu destino, as temperaturas já caem bastante e é importante estar preparado. 

Nesse caso, aconselhamos que você leve alguns itens como:

  • Blusas de malha 
  • Blusas térmicas
  • Casacos
  • Leggings
  • Calças jeans
  • Cachecóis
  • Bermudas
  • Shorts
  • Tênis
  • Sapato
  • Bota ou coturno

O que levar na mala para Europa no inverno

Se a sua viagem para Europa está marcada para dezembro ou janeiro, já pode tirar os casacos mais quentes do armário, em especial se for se aventurar na neve. Na sua mala, se preocupe em levar roupas que ofereçam um bom suporte frente ao frio, como:

  • Botas
  • Calças de lã
  • Casacos bem protegidos
  • Gorros e cachecóis
  • Jaquetas térmicas

O que levar na mala para Europa na primavera

Assim como o outono, a primavera é uma meia estação que requer um pouco mais de cuidado na hora de pensar na mala. É importante que você priorize roupas leves e confortáveis, mas sem deixar de lado casacos, jaquetas e meias mais grossas.

Algumas boas sugestões de roupas para levar para a Europa na primavera são:

  • Blusão e calça térmica
  • Jaqueta impermeável ou um trench-coat
  • Blusa de manga comprida
  • Casaquinho de tecido ou jaqueta de couro
  • Cachecol
  • Meia grossa, sapatilha, tênis e botas
  • Saias, calças jeans e de tecido, cardigans, bem como blusas de malha e de lã

Além de todos esses itens que separamos conforme as estações do ano, não esqueça o primordial de qualquer viagem para Europa: guia turístico e a máquina fotográfica. A Europa é um pólo cultural muito rico, sobretudo quando se trata da história da humanidade e da arte. Você não vai querer perder nenhum registro!

O que não pode levar na mala para a Europa

Independente do seu destino internacional, alguns itens são proibidos nas malas de mão e podem te impedir de viajar. Você não pode levar, por exemplo, nenhum objeto pontiagudo, cortante ou que possa causar ferimentos – inclusive cortador de unha – assim como produtos inflamáveis, explosivos ou que sejam classificados como artigos perigosos. 

Além disso, tome muito cuidado com os líquidos. Nos voos internacionais, frascos de líquidos com capacidade superior a 100 ml também não são admitidos. Mas, na dúvida, sempre consulte a sua companhia aérea.

Qual moeda levar para Europa?

Pode parecer uma pergunta óbvia.“Bom, se eu vou para Europa, devo levar euro, certo?”. Sim! Mas depende. O euro é uma das moedas mais importantes do continente, sendo aceita em grande parte dos países da região, mas nem todos compartilham o uso da mesma moeda oficial.

A União Europeia, por exemplo, é composta por 27 países e permite o livre trânsito dos seus cidadãos, mas nem todos aceitam o euro. Atualmente, apenas 19 países da UE fazem parte da Zona do Euro. Portanto, a depender do seu destino na Europa, é importante conferir qual moeda aquele país utiliza antes de realizar o câmbio.

Apesar de estarmos falando da Europa, vale também levar um pouco de dólar na sua viagem. Isso porque a moeda americana é a mais forte do mundo, então é utilizada em muitos países para além daqueles que têm seu uso oficial, como os próprios Estados Unidos. Com o dólar, portanto, você ganha ainda mais mobilidade nas suas viagens internacionais.

Posso pagar com conta em dólar estando na Europa?

Sim! Quem tem uma conta em dólar também pode fazer pagamentos estando na Europa. Inclusive, é bem mais fácil e seguro do que depender de dinheiro em espécie para todas as transações, e ainda é mais barato do que utilizar o cartão de crédito.

Mas você sabe como funciona uma conta em dólar? Ela tem uma dinâmica muito similar a uma conta convencional, a principal diferença é, basicamente, a moeda em que cada uma é operada. Dessa forma, ao realizar transações internacionais, a operação é feita diretamente na moeda americana.

A compra do dólar também acontece de maneira facilitada, sem que você precise perder tempo indo até uma casa de câmbio. Na Nomad,é possível comprar a moeda americana pelo próprio aplicativo da fintech, pagando um IOF de apenas 1,1% e uma taxa de serviço de até 2%.

Com isso, quem utiliza a conta em dólar não precisa mais arcar com a taxa de 6,38% em compras por cartão de crédito. Ao utilizar um cartão de débito vinculado a uma conta em dólar, você economiza muito mais nas suas compras internacionais.

Sem falar na praticidade e mobilidade. Com uma conta na Nomad, por exemplo, você consegue fazer compras com o cartão de débito em 19 países, incluindo Áustria, Bélgica, Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido.

Viajar para a Europa: é melhor levar dinheiro ou cartão?

Quando se trata de compras no exterior, muitas pessoas acabam optando por utilizar dinheiro em espécie ou cartão de crédito. Essas opções, no entanto, não são as mais vantajosas para quem prioriza segurança e economia na viagem.

Afinal, compras internacionais no cartão de crédito são acrescidas de um IOF de 6,38%, que encarece muito o valor final dos produtos. Por outro lado, utilizar dinheiro em espécie em todas as compras pode ser perigoso, já que você pode sofrer furtos ou perdas.

Em viagem para Europa, o cartão de débito internacional é a melhor opção. Por ser vinculado a uma conta em dólar, você tem acesso a taxas bem mais vantajosas de câmbio e de serviço, conforme citamos no tópico anterior. Além disso, é bem mais seguro e prático do que andar com dinheiro. 

Como solicitar um cartão de débito da Nomad

Para solicitar o seu cartão de débito da Nomad, basta acessar o app, ir na aba “Cartões” e clicar na opção “Cartão Físico”. Após isso, você deverá informar o endereço em que deseja receber seu cartão. O cartão será enviado para o endereço que informar e, quando estiver com ele em mãos, você conseguirá ativá-lo diretamente no app.

Em relação ao cartão digital da Nomad, ele é disponibilizado automaticamente após concluir o processo de abertura de sua conta corrente no app. Para ativar seu cartão, é preciso que tenha saldo em sua conta, independente do valor. Você poderá acessar os dados de seu cartão na seção “Conta” do app, clicando em “Cartão”.

Que horas são na Europa? Entenda o fuso horário

Por conta da sua vasta extensão, o continente europeu abrange diversos fusos horários. Os principais destinos dos brasileiros na região, como Portugal, Reino Unido, França e Itália, estão concentrados em apenas dois fusos: UTC+0 e UTC+1.

A sigla significa Tempo Universal Coordenado, que representa o fuso horário de referência a partir do qual se calculam todas as outras zonas horárias do mundo. Ele tem como referência o Meridiano de Greenwich (UTC+0), que fica em Londres.

Países que seguem o UTC+1, portanto, possuem 1 hora a mais em relação ao Meridiano de Greenwich, e assim sucessivamente. Veja a lista dos países europeus por fuso horário:

  • UTC+0: Irlanda, Portugal e Reino Unido: também conhecido como Hora da Europa Ocidental;
  • UTC+1: Albânia, Alemanha, Andorra, Áustria, Bélgica, Bósnia e Herzegovina, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, França, Hungria, Itália, Luxemburgo, Macedônia, Malta, Mônaco, Montenegro, Noruega, Países Baixos, Polônia, República Checa, Sérvia, Suécia, Suíça e Vaticano:  também conhecido como Hora da Europa Central;
  • UTC+2: Bielorrússia, Bulgária, Estônia, Finlândia, Grécia, Letônia, Lituânia, Romênia, Turquia e Ucrânia: também conhecido como Hora da Europa Oriental;
  • UTC+3: Rússia (depende da cidade).

Chip internacional vale a pena?

É muito melhor viajar conectado. Ter sinal e internet no celular permite que você consulte o endereço das atrações, mapas, converse com amigos e familiares no Brasil e, claro, compartilhe muitas fotos dos momentos incríveis que está vivendo na sua viagem para Europa.

Por isso, o chip de internet para o exterior é um dos itens que deve estar no seu checklist, em especial se a sua viagem for longa. Afinal, não dá para depender apenas da internet gratuita de lojas e restaurantes. Imagine se você precisa mandar uma mensagem com urgência? Ou se você se perde no caminho para um passeio? Para ter mais segurança e praticidade, o chip de internet internacional é a melhor opção. 

Existem duas formas de comprar um chip de internet para utilizar na viagem para Europa: direto com as operadoras europeias, utilizando os planos pré-pagos oferecidos por cada empresa, ou adquirindo um chip internacional ainda no Brasil. São várias as empresas que oferecem esse tipo de serviço e a vantagem é que você desembarca na Europa já conectado.

De qualquer forma, na maioria dos aeroportos internacionais existem lojas que vendem diversos tipos de chip de celular que podem ser utilizados em mais de um país europeu, já que na União Europeia o roaming é gratuito.

Viajar para a Europa ou para os Estados Unidos?

Os dois destinos são os mais cobiçados por brasileiros no exterior. E não é por menos: ambos reúnem uma série de atrações e paisagens que agradam a todos os tipos de turistas. Por isso, escolher um dos dois pode ser uma decisão difícil, principalmente se essa é a sua primeira viagem internacional.

A escolha por um destino de viagem, no entanto, vai depender de inúmeros fatores, como o seu orçamento. Mas, principalmente, vai depender dos seus gostos pessoais e do que você gosta de fazer.

A Europa, por exemplo, é um excelente destino para quem curte passeios históricos, conhecer monumentos famosos e visitar museus. Os países europeus têm uma arquitetura muito antiga que te convida a mergulhar fundo em diferentes culturas. 

Além disso, a Europa é uma ótima pedida para quem quer conhecer vários países de uma vez só. A proximidade entre os locais e os trens de alta velocidade tornam fácil visitar mais de uma capital em uma mesma viagem.

Os Estados Unidos, por outro lado, é um país que se destaca por suas cidades modernas e agitadas. O destino é ideal para quem busca uma viagem com bastante entretenimento!

Além disso, se você quer viajar para fazer compras, os Estados Unidos também é o destino ideal. Cidades como Miami, Orlando e Nova York reúnem inúmeras lojas com bons preços e ótimos outlets. 

Como aproveitar a Europa com a Nomad

O dólar é um dos assuntos importantes para quem está planejando uma viagem, inclusive para a Europa. Isso porque a moeda americana é a mais forte do mundo, então é utilizada em diversos países para além dos Estados Unidos. 

Dessa forma, ter o dólar sempre em mãos garante ainda mais mobilidade para as suas viagens. E a melhor forma de vivenciar isso é com uma conta em dólar.

Com uma conta em dólar da Nomad, você consegue comprar a moeda diretamente pelo aplicativo. Um jeito bem mais fácil, prático e rápido de ter acesso à moeda americana. Assim, você dispensa as idas às casas de câmbio e ganha mais segurança com o seu dinheiro. 

Além disso, a conversão adotada na compra da moeda é bem mais vantajosa. Isso porque a Nomad trabalha com a cotação do dólar comercial, mais barata que a do turismo. E o spread (taxa de serviço) dessa operação é de apenas 2%, enquanto o IOF está em 1,1%.

Com o dinheiro na conta, você consegue fazer compras na sua viagem para Europa com um cartão de débito, que não tem anuidade nem taxa de abertura. A efeito de comparação, as compras internacionais no crédito tem um IOF de 6,38%, sem contar o spread abusivo dos bancos tradicionais.

Além das taxas vantajosas, a conta em dólar oferece diversas outras facilidades. Com ela, você consegue fazer remessas, compras, transferências e investimentos em dólar com mais praticidade e segurança. Na Nomad, essas transações podem ser feitas através de uma única plataforma, 100% digital e gratuita.

Como abrir uma conta em dólar na Nomad

Abrir uma conta em dólar pela Nomad é muito simples. Você só precisa ter um passaporte brasileiro válido e ser maior de 18 anos.

Com o documento em mãos, baixe o aplicativo da Nomad (disponível para Android e iOS), preencha seus dados pessoais, como nome, data de nascimento, telefone e CPF, e registre seu passaporte.

Depois, grave um vídeo mostrando o seu rosto de 5 segundos segurando o passaporte. Enquanto isso, fale a frase “I authorize account opening with Nomad“, ou “Eu autorizo a abertura de conta na Nomad”.

Em até dois dias úteis, a sua conta será verificada e você estará pronto para receber, transferir, comprar e investir em dólar com mais praticidade, economia e segurança. 

Para ficar por dentro de todas as possibilidades que uma vida Nomad oferece para além da viagem para Europa, nos acompanhe nas redes sociais: Instagram e LinkedIn


Serviços intermediados por FRAM Capital DTVM S.A.

O conteúdo disponibilizado neste artigo não constitui ou deve ser considerado como conselho, recomendação, oferta ou solicitação de quaisquer produtos ou serviços pela Nomad. Este material tem caráter exclusivamente informativo. Para saber mais, acesse https://nomadglobal.com/legal/


CONHEÇA NOSSAS MÍDIAS SOCIAIS


© 2022 NOMAD. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Juntos com a Nomad

Synapse Drive Wealth logo ourinvest logo fram capital